Google pagará US$ 391 milhões para encerrar processo de privacidade

Compartilhe esse conteúdo

O Google pagará indenização milionária para encerrar processo de privacidade. Ao total a empresa multinacional americana de serviços online e software desembolsará o valor de US$ 391 milhões. O valor será para 40 estados dos Estados Unidos visando encerrar processo de privacidade.

Entenda melhor o processo movido contra a Google

Primeiramente, a Gigante das Buscas começou a ser investigada em 2018. O ponto de partida foi uma reportagem da Associated Press. Conforme a reportagem, o Google não obedece às escolhas de privacidade do usuário, pois grava seus movimentos mesmo quando você explicitamente diz à empresa que não quer ser gravado.

Com isso, diversas autoridades dos Estados Unidos começaram a perceber 2 problemas no processo de privacidade do Google. Esses problemas eram relativos ao histórico de localização e atividades de web e app.

Por exemplo, em 2020, o Estado do Arizona processou o Google pela prática de violação das políticas de privacidade. Vale lembrar que o Google sempre afirmou que as suas políticas de privacidade foram modificadas para resolver os problemas apontados.

Esse movimento de questionamento judicial das políticas de privacidade do Google se espalhou por diversos estados americanos. Por fim, para encerrar essas demandas judiciais, o Google pagará US$ 391 milhões para encerrar processo de privacidade.

Políticas de Privacidade do Google

Conforme procurador-geral de Nova Jersey, Matt Platkin, o Google pode rastrear a localização de usuários com sensores em seus devices conectados a GPS, torres de celulares, wi-fi ou bluetooth.

Destaca-se que a Lei de Fraude do Consumidor do Estado do Arizona  veda a coleta de dados de localização depois dos usuários terem rejeitado o recurso.

Por fim, vale lembrar que após receber severas críticas e multas de forma reincidente, o  Google reformulou a tecnologia principal de cookies de terceiros. A mudança foi estruturada há mais de dois anos e a opção até então escolhida foi o Federated Learning of Cohorts (FLoC) — ou “Aprendizagem Federada de Coorte”.

Contudo, após pesquisas com os próprios usuários e empresas responsáveis pelos anúncios, descobriu-se uma série de falhas . Essas falhas eram relativas à segurança e privacidade, dando espaço para a nova ferramenta adotada para substituir os cookies e publicado oficialmente ontem pelo Google: o Topics.

Para mais notícias e informações sobre o tema continue acessando o nosso site.


Compartilhe esse conteúdo