LGPD e IA: Saiba como usá-los em conciliação

Compartilhe esse conteúdo

As grandes empresas mais modernas hoje em dia e que desejam alcançar o sucesso a partir do gerenciamento responsável devem conhecer termos como LGDP e IA.

Essas duas siglas surgem no debate empresarial por meio do enorme acesso via internet, no qual a maioria das ações que realizamos partem da conexão online, assim como os documentos antes impressos e guardados em pastas, hoje estão presentes na rede.

Nesse sentido, algumas medidas são tomadas para um maior e melhor controle do que é publicado e veiculado dentro do meio digital, bem como quais dessas informações são coletadas pelas marcas para os mais diferentes fins.

É com essa preocupação que é preciso saber como conciliar o LGDP e IA dentro do gerenciamento de uma companhia. Se essa é a sua dúvida, fique conosco neste artigo e saiba mais!

O que é LGDP?

A LGDP é a sigla para Lei Geral da Proteção de Dados, a norma de número 13.709/2018 e trata da regulação de proteção para os dados pessoais de um indivíduo ou empresa que atua na internet.

Ela geralmente é ressaltada no momento da troca de informações entre o contratado e o contratante, onde é reconhecido por lei que os dados de um cliente não serão usados para outros fins que não aqueles acordados entre as duas partes, como contato ou marketing.

Com a LGDP, o usuário possui  o poder sobre os seus dados, sabendo exatamente com quais fins eles serão usados, como serão usados e quem terá acesso a ele. 

Aliás, os cenários onde podemos nos deparar com essa decisão são diversos, entre eles:

  • Acesso a um site;
  • Assinatura de um serviço;
  • Cadastro em uma plataforma;
  • Compra de um produto;
  • Instalação de um aplicativo.

Em um momento em que milhões de dados são gerados e compartilhados por milhões de pessoas pelo globo, uma lei responsável por proteger as informações dos usuários é necessária e crucial para estabelecer os limites e as proteções cruciais para todos os usuários.

É claro, aqui tratamos de informações digitais, ou seja, tudo aquilo que existe na rede mundial de computadores, mas que também podem refletir nos aspectos enquanto pessoa física. 

Inclusive, a diversidade desse tipo de dados é enorme, e vai desde dados compartilhados em um formulário (que pode obter informações sensíveis) até imagens pessoais compartilhadas em um site.

Entre as diversas ferramentas em que os dados são as fontes primárias, existe a Inteligência Artificial, presente nas mais modernas empresas do mercado, para identificar quais desses dados são relevantes e identifica como interagir com eles. 

Mais ainda, o reforço da proteção de dados também pode ser garantido pela IA.

O que é IA?

Como já foi mencionado acima, a IA é a sigla para Inteligência Artificial e significa qualquer software ou ferramenta eletrônica que pode aprender e funcionar sem o auxílio de um ser humano, sendo utilizado para diversas atividades de identificação.

Antes, era pura ficção científica, hoje é a realidade de muitas marcas espalhadas pelo mundo, de diferentes nichos, seja aplicada em um empreendimento imobiliário ou em uma agência de publicidade.

Dentro dessas empresas, um programa pode ser responsável por realizar buscas específicas, indo atrás da melhor solução possível para a empresa com base em dados.

É claro, tudo é feito previamente por meio de uma configuração humana que, acima de tudo, escolhe dados essenciais para a caracterização de uma IA em específico. A partir daí, é possível assistir a máquina em funcionamento.

Outra vantagem de instalar um sistema de IA em uma companhia é que ela pode ser atualizada constantemente, de acordo com os dados coletados durante o tempo em atividade. Além disso, ela pode ser usada para evoluir novos processos do local.

Como conciliar LGDP e IA?

Enquanto a IA funciona a partir de dados inseridos no sistema, a LGDP tem o seu conceito baseado na proteção geral dos dados de um grupo de pessoas ou de um indivíduo. Nesse sentido, as duas podem ser conciliadas para garantir que as estratégias da empresa funcionem em acordo com a lei e de forma otimizada.

Sabendo dessas informações, como é possível conciliar os dois projetos? 

O primeiro passo é a transparência, o princípio básico da Lei Geral. Ao informar o usuário os caminhos dos dados fornecidos por ele dentro da IA, o procedimento pode ser muito mais seguro e efetivo.

Existem algumas IAs que também são usadas justamente para reforçar a segurança dos dados ou do sistema digital de uma empresa. Nesse sentido, é a garantia que as informações usadas somente irão proporcionar benefícios para todos os envolvidos.

Para seguir esse caminho, também é interessante que a própria empresa possua um Código de Ética, alinhado com os times de marketing, RH, TI e outros responsáveis.

A projeção da IA deve ser feita de acordo com os limites do Código, garantindo total proteção aos dados dos clientes. É necessário que esse  mesmo Código esteja disponível para todos os envolvidos, para eventuais consultas, seja de dúvidas ou cobranças.

No diálogo entre a LGDP e a IA, a informação é a base de tudo. 

Portanto, qualquer atualização, movimento e inovação acerca desses tipos de softwares, devem seguir a lei e informar os usuários que concordaram em passar as informações para mantê-los atualizados e qualificar cada vez mais as ações da empresa e soluções fornecidas por ela.

Texto originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, canal em que você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.


Compartilhe esse conteúdo