LGPD – Criptografia como SaaS

Compartilhe esse conteúdo

Diante dos recorrentes casos de incidentes cibernéticos e da tão esperada posição ativa da ANPD no cenário brasileiro, as empresas ainda correm contra o tempo para a adequação técnica e cultural da LGPD.

Problema real e grande obstáculo no Compliance com as normativas de proteção de dados, especialmente para pequenas e médias empresas, o orçamento para projetos longos e complexos ganha uma alternativa trazida pela empresa CLM: serviços de criptografia, anonimização e pesudo-anonimização diretamente da nuvem, com acesso através de pagamentos mensais.

Neste modelo de negócios, a CLM compartilha parte de sua infraestrutura, aportando benefícios da nuvem aos projetos de revendas parceiras, transformando CAPEX (capital expenditure) em OPEX (operational expenditure). Alisson Santos, gerente de produtos da CLM, afirma que o modelo de negócios é ideal para o momento atual das empresas brasileiras, especialmente no contexto das dificuldades que a pandemia da Covid-19 trouxe.

“O mercado de distribuição, com o advento do SaaS e do Cloud, está passando por grande consolidação, com as empresas se preparando para o futuro. Nesse cenário, o distribuidor tem grande papel nessa preparação, sendo o elo entre o fabricante e as revendas para a transferência de conhecimento necessária para ampliar o negócio. Além de viabilizar financeiramente os projetos, dando suporte aos parceiros por intermédio de condições financeiras e modelo de negócios adequados para atender às demandas” conta.

Cloud eleito elemento-chave em TI para 2022

Santos explica que o objetivo inicial da criação do serviço de criptografia em SaaS para LGPD advém da ideia de acelerar a transformação digital das empresas, deixando o caixa sensivelmente mais disponível em comparação a compra de grandes projetos. A diferença na prática, conta Santos, está na eliminação de custos iniciais com a implementação, manutenção e suporte das tecnologias aplicadas.

“Agiliza muito o processo, principalmente por dispensar integrações com as tecnologias já existentes nas companhias” continua ele.

A iniciativa segue a forte tendência de migração para a nuvem. De acordo com o estudo “Mercado Brasileiro de Software – Panorama e Tendências 2020”, realizado pela ABES – Associação Brasileiras das Empresas de Software – com dados do IDC, o Cloud também será o elemento-chave na infraestrutura de TI em 2022, já que é um caminho rápido para a ampliação da resiliência operacional.

No tocante à investimentos, os números são significativos: somados os gastos com infraestrutura (IaaS) e plataforma (PaaS) em nuvem pública, o Brasil deve atingir US$ 3 bilhões de investimento, o que representa um crescimento de 46,5% em relação a 2020.

CLM e a transformação digital das empresas

Eleita melhor distribuidora latino-americano pela Nutanix, a CLM busca fazer parte da transformação digital de seus clientes com atuação em segurança da informação, infraestrutura para data centers e cloud e ferramentas de Compliance para legislações de proteção de dados, como a LGPD.

Sediada em São Paulo, a empresa possui subsidiarias nos EUA, Colômbia, Equador e Peru. Com extensa rede de VARs na América Latina e vasta experiência de mercado, busca alavancar as vendas de seus clientes através da tecnologia SaaS em seus canais, trabalhando na fidelização de seus clientes e tendo a garantia de recebimentos mensais, uma vez que são comissionados em todas as vendas.

Para mais informações, você pode acessar o site da CLM Cloud Services aqui.


Compartilhe esse conteúdo